Rainha Cristina

Queen Christina

1933

Sinopse: Após a morte do rei Gustavo Adolfo na Guerra dos Trinta Anos, sua filha Cristina assume o trono da Suécia aos 6 anos de idade. Já adulta, com o conflito ainda em andamento, ela é pressionada a se casar com o primo, o herói de guerra Carlos Gustavo, mas se apaixona por Antonio, um emissário da Coroa Espanhola.

Depois do lançamento de Grand Hotel (Grand Hotel) e Como me queres (As You Desire Me), ambos em 1932, o contrato de Greta Garbo com a MGM expirou e ela voltou para a Suécia. As negociações se arrastaram por quase um ano, até que o contrato foi renovado e ela enfim reapareceu nas telas em Rainha Cristina, em dezembro de 1933. A produção foi acompanhada de um forte trabalho de divulgação como o retorno da estrela depois de um ano e meio de ausência.

E foi um retorno triunfal. Garbo está (com o perdão do trocadilho) majestosa na pele da rainha que governou o seu país natal no século XVII e foi considerada uma das mulheres mais cultas da época. Sua atuação demonstra autoridade, força, inteligência e independência, mas ao mesmo tempo generosidade, justiça e sensibilidade. Em uma cena já na parte final da história, ela consegue deter os revoltosos que invadem seu palácio apenas postando-se na escadaria e encarando-os. Sua abdicação resoluta faz até o espectador se sentir um súdito perplexo e órfão.

A garbosa rainha Cristina

Outras duas cenas do filme estão entre as mais lembradas da carreira de Garbo. Em uma delas, quando Cristina está no quarto da estalagem com Antonio, ela vaga pelo aposento tocando e sentindo todos os objetos, para guardar o momento na memória. A cena foi coreografada tão meticulosamente que foi usado um metrônomo, um instrumento para medir o acompanhamento musical.

A outra é a cena final, em que Cristina, após ver Antonio morrer em seus braços, se debruça na proa do navio com um semblante vazio, contemplando o horizonte – e um futuro incerto sem amante e sem reinado.


Mas como nem tudo é perfeito, o enredo escorrega na inverossimilhança na sequência em que a rainha sai vestida de homem e vai até a estalagem. Embora ela chegue a tirar o chapéu, revelando totalmente as feições e os cabelos, o segredo só é descoberto por Antonio, quando ela despe a casaca e ele percebe as formas femininas sob a camisa.

A dubiedade sexual de Cristina é sugerida durante todo o filme, principalmente na relação com sua dama de companhia Ebba Sparre, que ela chegar a beijar na boca (as duas personagens realmente existiram, e há de fato especulações sobre a relação das duas). Uma simples demonstração de afeto à moda antiga ou algo mais? O filme tenta dissipar a dúvida mostrando a paixão avassaladora entre Cristina e Antonio (que é totalmente fictícia, embora o emissário também seja um personagem real) e Ebba com um noivo.

Garbo e Elizabeth Young como Cristina e Ebba

A primeira opção para viver o espanhol foi o inglês Laurence Olivier. No entanto, após alguns testes, não houve muita química entre ele e Garbo – anos mais tarde, o próprio ator reconheceu que, ainda muito jovem, não estava à altura da Divina.

Então Garbo pediu a escalação do seu antigo amante das telas e da vida real, John Gilbert. Um dos maiores astros do cinema mudo, Gilbert caíra no ostracismo com a chegada do som (e com a antipatia de Louis B. Mayer) e sofria com o alcoolismo. Garbo pretendia ajudá-lo a reavivar sua carreira, mas não teve muito sucesso: um tanto caricato no figurino seiscentista, ele não agradou à crítica. Rainha Cristina foi a quarta e última parceria do casal. Depois disso, Gilbert atuou em apenas mais um filme e morreu em 1936, aos 38 anos.

Garbo & Gilbert

Entre os coadjuvantes, estão os ótimos veteranos Lewis Stone (o ator que mais vezes apareceu ao lado de Garbo, em sete filmes) e C. Aubrey Smith. A pequena Cora Sue Collins interpreta Cristina na infância, quando é coroada. Cora é a única integrante do elenco ainda viva, atualmente com 94 anos.

Cora Sue Collins

Rainha Cristina foi um dos maiores êxitos de Garbo e a maior bilheteria de Hollywood em 1933, mas a atriz não ficou muito satisfeita: “Eu tentei ser sueca”, disse ela mais tarde, “mas em Hollywood é difícil permitirem que você tente alguma coisa.”

Ficha técnica:
Diretor: Rouben Mamoulian
Elenco: Greta Garbo, John Gilbert, Ian Keith, Lewis Stone, Elizabeth Young, C. Aubrey Smith e Reginald Owen
Roteiro: H.M. Harwood, Salka Viertel e S.N. Behrman (baseado na história original de Salka Viertel e Margaret P. Levino)
Fotografia: William H. Daniels
Figurino: Adrian
Produtor: Walter Wanger
Estúdio: MGM
País: EUA
www.imdb.com/title/tt0024481/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s